NÚCLEO CINEMATOGRÁFICO DE DANÇA

  • Facebook - Black Circle
  • Twitter - Black Circle
  • newsletter

AULAS COM 

MARISTELA ESTRELA

GRUPO DE ESTUDOS

16 MULHERES E ½

 

O 16 mulheres e ½ - grupo de estudos em dança e performance - está aberto a todes interessades em adentrar o novo processo de investigação PLATAFORMA MIXTAPE:  

|o o|

PLATAFORMA MIXTAPE é um espaço para o encontro de interesses de pesquisas artísticas individuais que podem se abrir para uma nova configuração coletiva. Um campo imersivo de experiências compartilhadas e de seus desdobramentos. É ainda o desejo de estar junto, apesar da distância: para sair de si e encontrar o outro, produzir diferenças, saberes, modos de estar, desemaranhar nós, potencializar vidas.

play. para somar, descobrir, insistir. repetir. rewind. pause. 

para questionar, duvidar, mudar de ideia. voltar para o início. 

rewind. rec. para processar, experimentar, lado a lado, lado a, lado b. rewind. stop.

para dividir, revisar, reformular, começar de novo. rewind. 

forward. para "mixturar", desviar, desorganizar, (des)produzir.

play. para ouvir de novo. em loop.

Neste momento da mediação compulsória das telas-janelas digitais entre nós, em que tudo corre pelos olhos em um instante, um fotograma, um like, te provocamos a pensar e criar em um "tempo analógico". Não se trata de uma vontade nostálgica, mas de tentar subverter e usar as tecnologias atuais de outros modos. Nos deter naquilo que parece mais significativo. 

 

Fazer uma mixtape exige esforço e tempo. É preciso um planejamento cuidadoso. Selecionar toda uma pilha de arquivos antes de começar a gravação, pois para além de sua totalidade, a mixtape deve considerar sua ordem cronológica e linear, ainda que possa haver, entre uma música e outra, espaços em branco, ruídos desnecessários, vozes sobrepostas, um refrão que se repete. 

Além disso, a experiência de fazer uma mixtape se assemelha também à experiência de recebê-la e escutá-la. Ela presume quase uma mesma duração da experiência temporal para o criador e o receptor, um espaço-tempo íntimo e compartilhado. 

 

Seja qual for o contexto que dê origem à uma mixtape, há um impulso básico: o desejo de compartilhá-la com outras pessoas. Desejo que aqui se constitui por meio de conversas, práticas, pensamentos e movimentos como ignições de experimentações estéticas e performances possíveis em meios ciborgues.

"Existem todos os tipos de mixtape. E sempre há uma razão para fazer uma."

Rob Sheffield

Fazer uma mixtape é deliberadamente um ato de paixão. É sobre procurar na sua biblioteca pessoal e encontrar a música exata para vir em seguida. Como um tempo-espaço dedicado para partilhar o sensível, "mixturar" códigos e lógicas, produzir desvios, propor jogos, subjetividades e pensamentos. 

 

Neste novo processo uma sequência de músicas será apenas o primeiro disparo de investigação, meio para se fabricar propostas que possam compor com o outro. Um impulso que trafega do individual para o coletivo, do privado para o público, do passado para um futuro possível, no compartilhamento de experiências afetivas comuns. É a primeira etapa de novas conexões. Ela não se encerra em uma temática. A força afetiva da música e o impulso libertador do desejo do corpo se intensificam e se reforçam mutuamente. As composições serão a acumulação e sobreposição de diversas vozes, matérias corporais, imagéticas, textuais e sonoras, quem sabe uma performance "para adiar o fim do mundo" ou apenas um pretexto para o encontro. 

Os estudos e investigações da plataforma se apoiarão em três eixos:

 

a banda corporal

podemos nos imaginar como uma mixtape ou um "corpo-fita". Um corpo que ressoa diferentes tempos e lugares e que se compõe tanto de matérias quanto de afetos, de nascimentos e mortes. Movimentos que ficam impressos no músculo como o óxido de ferro em uma fita magnética e ainda assim podem ser provisórios, em vias de desfazer-se. Sinais elétricos oscilantes. Pensamos o material corporal ou "corpo-fita" como aquilo que te interessa retomar, revisar ou aprofundar. Que registros ainda pulsam? Pode ser uma qualidade de corpo, uma pequena cena ou uma coleção de movimentos. Influências performativas. 

 

a banda visual

se nossa conexão, agora, não pode ser o encontro físico, o corpo a corpo, então como podemos nos deixar provocar também por essa linguagem visual da câmera? Quais soluções e desvios ela pode nos provocar quando esbarramos em certos limites do corpo? Influências cinematográficas. 

 

a banda sonora

para além de uma coleção de músicas, que outras sonoridades afetam esse processo? Uma voz que lê um texto, o que ouvimos pela janela, no hay banda, silêncio? Influências sonoras.

Nós queremos fazer uma mixtape com você.

A plataforma acontecerá de agosto a dezembro de 2020, coordenada pelo Núcleo Cinematográfico de Dança, através da plataforma Zoom. Além da coordenação, o Núcleo  terá o papel de provocar e orientar o processo do coletivo, bem como dos grupos que se formarem. O NCD organizará os agrupamentos durante os primeiros encontros e na medida em que as afinidades estéticas, temáticas e/ou processuais  forem surgindo. Com ênfase no processo, os grupos continuam a escutar uns aos outros, mantendo conversas e reflexões em torno das indagações emergentes. Para além das questões conceituais, tanto o Núcleo quanto os participantes, compartilharão instruções e dispositivos de investigação e criação bem como práticas corporais próprias. Algumas mixtapes também poderão ser elaboradas, dedicadas e enviadas a outras pessoas de fora do grupo, como um modo de expandir a experiência e a rede de afetos. 

 

No último mês os grupos decidem se querem compartilhar seu processo com "ouvintes" de fora do coletivo. Como uma mixtape, cada processo poderá ser "ouvido" de novo e de novo até se desgastar, se dissolver. Ou ainda, ser apagado por completo. Eject. 

 

Serão bem vindes artistas e estudantes de dança, performance, teatro e circo, bem como artistas visuais e da música que tenham alguma experiência com trabalho corporal e estejam interessades no entrecruzamento de experiências artísticas e convivência coletiva virtuais neste contexto de confinamento.

 

O Núcleo selecionará até 20 pessoas que necessariamente participarão de todo o processo.

Os encontros acontecerão às segundas-feiras das 19h às 22h, de 24 de Agosto a 14 de Dezembro, em sala virtual compartilhada com o coletivo e/ou separada em grupos. O Núcleo fará ainda dois encontros virtuais de 01 hora com cada grupo ao longo do processo.

 

Valor: R$180,00/mês.

Integrantes e ex-integrantes do grupo 16 mulheres e ½: R$130,00 a R$180,00/ mês.

05 vagas no valor de R$70,00/ mês para artistas negrxs.

INSCRIÇÕES ATÉ DIA 22 DE AGOSTO.

PARA SE INSCREVER

A inscrição para participar da plataforma é feita em duas etapas.

Na primeira etapa, em vez de você nos enviar uma carta de interesse, a gente prefere que você nos envie uma primeira mixtape.

 

Para isso você precisará usar a plataforma Spotify (www.spotify.com). Considere essa ação mais do que simplesmente montar uma playlist. Considere a ordem das músicas, as transições entre elas, os efeitos causados pela justaposição ritmos e frequências diferentes,  enfim, o "arco narrativo" de sua mixtape.

 

Sua mixtape deve ser composta por músicas que serão disparadoras do seu desejo de criação. Uma vertigem sonora que se propaga afetuosamente, calorosamente, ruidosamente e manifesta-se através do movimento (ou a falta dele). As músicas não precisam seguir uma "temática", nem mesmo ter texto.

 

As únicas regras são:

* Ter no máximo 30 minutos (só o Lado A)

* Dar um título para sua mixtape

 

Na segunda etapa da inscrição você vai enviar o link da sua mixtape e preencher seus dados clicando aqui.

 
 

RESPIRADOUROS

O corpo como partitura: respiradouros

A escuta do intervalo entre ações nos revelam outros estados, sensações, linhas de fluxo. Como podemos entrar e sair dos estados de corpo necessários para cada momento? Entre uma e outra batida do coração, um breve silêncio. O silêncio procura e conduz a um impasse. O impasse provoca instabilidade. A instabilidade reconduz ao movimento. 

Abrir caminhos na imaginação e possibilitar outros contornos aos sentidos e a presença no ato de mover. Arejar. Afinar essa escuta, garantindo mais espaço para as atividades invisíveis que ressoam dentro do corpo como janelas abertas para entrar e sair ar: respiradouros.

Realizaremos estudos sobre qualidades e gradações dinâmicas de movimento, trabalhando a alternância dos fluxos de energia: velocidade e lentidão, força e suavidade, expansão e recolhimento da atenção e ação. Como se sedimenta ou como se transfigura a forma? Forma como possibilidade de trânsito. O movimento gerando zonas de penetração. Passagens desenhando corporalidades. 

As intensidades mínimas, a quietude perante a agitação. O infraleve de Marcel Duchamp, o micro, o ínfimo. Tempo dilatado. Observar o crescimento de um movimento vagaroso. Coletar imagens de crescimentos vegetais como linhas de desejo. Organicidade, evanescência. O acontecimento, o instante. Quais nuances entre corpo passivo e corpo ativo? Partilhar percepções observando os campos de forças e sensações que nos escapam. 

O tempo da prontidão. Como avaliar  o “dentro” e o “fora” de um estado de coisas em ebulição e velocidade? Experimentos sobre resistência, insistência, fôlego, ampliação, explosão, cansaço, ruído, borrão, falha. Brincar com a tensão entre alta fidelidade e baixa resolução ("low resolution", "high fidelity") tendo como base a relação entre coreografia e improvisação em interface com práticas somáticas. Um estreitamento com o sensível . 

O tempo da comunicação. Realizar experimentos em vídeo, inventariar possíveis formas de manifestação do corpo que dança. Uma edição do olhar com foco na questão compositiva. Na infinitude virtual que impede a possibilidade de uma permanência observar as instantaneidades que estão em vias de se fazer e se desfazer sendo. 

Uma prática híbrida que convida todos os níveis de experiência, observando as diferenças, a energia coletiva, bem como a potência e limites de cada corpo e movimento. As aulas buscam favorecer um espaço lúdico, instigante, sensível e criativo para experimentar a dança e habitar o corpo em percurso imprevisível e infinito, que resiste à destruição e à morte para afirmar a criação e a vida.

Para todxs interessadxs nas artes do corpo.

Sobre MARISTELA ESTRELA

Todas as quintas feiras das 20h às 22h  ::::::::  Online pela plataforma ZOOM 

de 06 de Agosto a 10 de Dezembro

Valor integral: R$160,00/mês
4 vagas no valor de R$60,00/mês para pessoas negras

Pagamento do semestre em parcela única R$760,00 (5% de desconto)

Aula avulsa: R$45,00 

 

Pagamento via boleto bancário todo dia 10 do mês corrente. Pagamentos em atraso terão multa de 10%.

SE INSCREVER