Um Infinito no Peito

Retomo aqui um trabalho que fizemos há alguns encontros atrás. De desenhar em movimento o oito na coluna... um oito que bate e entra nos ossos... e avança costelas em infinito no espaço... levando braços em infinito também... e avança bacia em infinito no espaço... levando pernas em infinito também... o meu centro e os meus afluentes. O trabalho me trouxe a sensação de amplidão e paisagem, integração com o espaço, mas não uma integração necessariamente gostosa (certamente não passiva): Uma integração que exigiu de mim um trabalho árduo, quase agressivo, pulmonar, cardíaco... que me rasgou numa espécie de ampliamento multidirecional, um fazer parte, um compor... transformar o entorno, numa amplidão quase inumana só possível a montanhas, ou cachoeiras... em suas sinuosas e resistentes transformações/imposições na relação com o tempo/espaço.

Voltou-me, ricocheteando peito a dentro, física e inevitavelmente, um poema de Hilda Hilst que me acompanha desde anos...:



Costuro o infinito sobre o peito.

E no entanto sou água fugidia e amarga.

E sou crível e antiga como aquilo que vês:

Pedras, frontões no Todo inamovível.

Terrena, me adivinho montanha algumas vezes.

Recente, inumana, inexprimível

Costuro o infinito sobre o peito

Como aqueles que amam.

1 visualização

Posts recentes

Ver tudo