Buscar

(não) FAZER - Para Márcio Araújo


fazer





todo o resto é silêncio





“E calar-se é ainda falar. O silêncio é impossível.” Maurice Blanchot

Caro Márcio,

Preferiria não fazer. Mas eis que aqui me apresento. Ou quase, por assim dizer. Assino com meu pseudônimo. Preferiria não ser eu. Portanto, assim me encontrarei.

Apenas da pulsão negativa, apenas do labirinto do Não pode surgir uma dança por vir. Mas como será essa coreografia? (...) Não sei. Se soubesse, eu mesmo a faria. Há um debate muito intenso dentro de mim, sobre qual é a natureza da arte. Refleti muito sobre qual era a essência da questão e cheguei à conclusão de que ela tem a ver com a idéia de crença, mais do que qualquer outra coisa.

Então, nesse momento, passei a crer que você sou eu. Ou eu sou você. Não importa a natureza da transformação. Eu transformei sua substância atual. Chamar você de você já não é mais correto. Qualquer um pode chamá-lo do que bem entender, mas isso não alteraria o fato de que você sou eu. Ou eu sou você.





minutos para não fazer uma produção contraditória em si mesma livremente inspirada em Bartleby





Bartleby era um copista.

Como pode-se definir uma pessoa não somente pela sua origem, não somente de onde ela vem, mas igualmente para onde ela vai?




São Paulo, 13 de Março de 2013

Márcio Araújo


#fazer, #naofazer, #desaparecer, #bartebly, #fé, #2013, #janelaspoeticas, #salacrisantempo

0 visualização